Relatos de Fé


Yolanda Kodama Rodrigues - Ourinhos - São Paulo - Capital


Meu nome é Yolanda Kodama Rodrigues, tenho 58 anos e resido na cidade de Ourinhos. Hoje, gostaria de compartilhar uma experiência a respeito da compreensão sobre a palavra Messias.
No dia 16 de agosto deste ano, meu esposo e eu participamos do Culto Mensal da cidade de Bauru, realizado na residência do Responsável da Cidade, com a presença do Responsável da Região 4.
Devido a uma dúvida pessoal, meu marido solicitou uma entrevista com o Ministro, marcada para esse mesmo dia.
Logo após o culto, o ministro chamou meu esposo para conversar e me convidou para participar. Iniciamos nossa conversa falando sobre mudança de sentimento e entrega desses sentimentos a Deus.
A conversa se estendeu sobre as nossas dedicações em Ourinhos e como estávamos praticando as nossas atividades. Fazemos Encontro de Luz em Ourinhos três vezes por semana, iniciamos com a Oração Amatsu Norito e as Três Orações: Palavras de Luz, Nosso Juramento e Palavras de Oração. Lemos o panfleto “Quem Somos Nós” e em seguida, trocamos Johrei. Então, 2 fiéis saem a rua convidando as pessoas para receber oração e, após o Johrei ,entregamos o panfleto “Quem Somos Nós” a cada um que vem pela 1ª vez.
Então, o ministro nos explicou que precisávamos, em primeiro lugar, levar o nome Messias às pessoas; dizer as pessoas que todos têm o nome Messias outorgado por Deus no Paraíso. Disse ao ministro que tinha entendido, mas ele persistia nesse ponto... Conversamos por uma hora: eu dizia que tinha entendido e ele repetia...
“Poxa! Estou dizendo que entendi e o ministro fica repetindo a mesma coisa!”; estava ficando chateada. Ao nos despedir, mais uma vez, o ministro repetiu sobre a importância de levar o nome Messias para as pessoas.
No retorno para Ourinhos, comentei com meu esposo: “Nossa! O ministro acha que tenho a cara de quem não entendeu nada, pois ele repetia a mesma coisa: - Vocês tem que levar o nome “Messias” a todos; - O nome “Messias” é muito importante; - Abordar as pessoas dizendo que eles tem um “Messias” dentro delas...”
Meu esposo sorriu e disse ter gostado muito de ter ido ao culto e principalmente de ter conversado com o ministro. Quero ressaltar que em nenhum momento, o ministro disse que eu estava errada ou que não estava entendendo.
No dia seguinte, após ter feito a oração matinal, comecei a treinar como abordar as pessoas seguindo as orientações do ministro. No início, me senti um robô falando, sem nenhum sentimento impregnado nas palavras.
De repente, me lembrei de uma passagem que o reverendíssimo Watanabe teve com o reverendo Francisco: quando foi orientá-lo sobre a difusão em Angola, ficou horas a fio falando do mesmo assunto.
Percebi, naquele momento, que a persitência do ministro nas suas orientações era porque eu só estava compreendendo com a razão; ainda não sentia, no meu coração, o “Messias” que existe dentro de cada um.
Entendi que precisava dedicar com outro sonen e de acordo com a nova fé ensinada por Kyoshu-Sama.
Hoje, quando abordo as pessoas, digo com o coração que elas tem o Messias dentro delas e que devem seguir o seu mestre para renascer como verdadeiros filhos de Deus. Eu sinto que as pessoas ficam felizes e tudo fica mais fácil. Independente de religião, as pessoas se identificam.
Abordamos as pessoas na porta da casa onde realizamos os Encontros de Luz, entregamos o panfleto “Quem somos nós?”; falamos sobre Messias; oferecemos Johrei, como uma oração que nos ajuda a renascer (às vezes, pelo tempo curto da pessoa, ministramos Johrei na rua mesmo, em pé); e convidamos para que retornem informando dia e horário que estamos ali. Quando a pessoa retorna, deixamos ela à vontade para falar ou não das suas purificações, fazemos juntos as Três Orações e ministramos Johrei.
Gostaria de ressaltar que consegui transmitir esse mesmo sentimento para os outros fiéis que dedicam nos Encontros de Luz. Já distribuímos mais de 300 panfletos; abordamos, em média 22 pessoas em cada dia, e estamos recebendo em torno de 8 seguidores que estão retornando aos Encontros. No último Culto Mensal, recebemos 7 pessoas de primeira vez.
Sinto que cada vez que uma pessoa relata sua história, é Deus me mostrando de onde Ele me salvou, de qual situação eu já fui perdoada.
Meu coração se enche de alegria!
Quero deixar registrado que nosso resultado só está acontecendo porque a equipe de fiéis, mesmo pequena ainda, dedica com amor e unida ao sentimento de nosso Líder Espiritual Kyoshu-Sama. E como Deus está sempre no comando, já percebemos que Ele envia a quantidade de pessoas de acordo com o número de fiéis dedicando, ou seja, tudo ocorre em harmonia, sem atropelos.
Também consigo sentir a harmonia reinante em minha vida e na minha família, principalmente com meus filhos.
Agradeço a Deus, ao Messias Meishu-Sama e à persistência do ministro, pois assim pude compreender o sentimento impregnado na palavra “Messias” que Kyoshu-Sama vem nos orientando.

Muito Obrigada.