Recebendo a Vontade de Meishu-Sama


Amor

Meishu-Sama

Quando se fala amor é preciso saber que há dois tipos de amor: o amor de Deus e o amor humano. O amor de Deus é um amor daijo, que abrange tudo; é um tipo de amor que ama toda a humanidade, sem limites. O amor humano, ao contrário, é um amor shojo, restrito; é um tipo de amor egoísta que ama o próprio indivíduo, seus amigos e sua nação. Portanto, o amor humano é limitado e, em última análise, é um mal. Uma vez que tenham entendido o que estou tentando dizer aqui, os membros deverão enfrentar qualquer situação com um sentimento daijo, ou seja, com o amor de Deus. Deverão se comunicar com as pessoas tendo o amor de Deus gravado em seu coração. Se assim o fizerem, eu garanto que terão bons resultados.

Seja Daijo, 25 de novembro de 1951


Kyoshu-Sama
Que tipo de amor é o amor de Deus? Até hoje, quando dizíamos amor, só conhecíamos o tipo de amor que damos e recebemos, levamos e trazemos entre nós - entre seres humanos. Ou conhecíamos somente o tipo de amor que temos pela natureza, como o amor por animais e plantas próximos de nós. E, na verdade, fizemos do amor algo que nos valoriza perante a sociedade, algo através do qual nos vangloriamos de nossas ações. Entendemos erroneamente a prática do amor de Deus como se fosse a prática do amor ao próximo sobre o qual se fala normalmente na sociedade ou atos morais de cuidado com o próximo. Na realidade, porém, o amor de Deus não é algo mutável e transitório que segue as normas e julgamento humanos, ou seja, não varia de acordo com nossas preferências, nem com o que acreditamos ser certo ou errado. Ele não é algo que pode ser medido como sendo forte ou fraco. Acredito que a verdadeira natureza de amar é tornar algo propriedade de quem ama. Gostaria de dizer que o amor de Deus consiste em fazer Suas criações se tornarem Suas propriedades, ou seja, é o amor que nos torna Seus próprios filhos. Esse amor de Deus é o verdadeiro amor impregnado no nome do Messias. Através de Meishu-Sama, conseguimos despertar para o erro de termos nos apossado desse amor como se fosse nosso e viemos a saber que existe o verdadeiro amor - o amor com o qual Deus, que está em nosso interior, perdoa-nos e nos torna Seus próprios filhos. E jamais se esqueçam: foi somente através do perdão de Deus que conseguimos conhecer Deus e o Seu amor.

Culto da Primavera e Culto pela Farta Colheita
12 de março de 2017


Masaaki-Sama
O Perdão de Deus, resumido, é o Amor de Deus. O amor de Deus se transforma em perdão. Na verdade, é amor porque perdoa o que é imperdoável. Perdoar o que é perdoável não é amor. O ser humano vive extremamente dentro da sua conveniência, pois perdoa o que é capaz de perdoar e ama aquilo que consegue sentir amor. Mas, o amor humano não é o verdadeiro amor. O amor que perdoa o que é imperdoável é um sentimento que os seres humanos jamais serão capazes de possuir. O amor de Deus, assim como está escrito na oração Zenguen-Sanji, é uma “grandiosa, infinita e imensurável benevolência”. Eis o que é o amor de Deus. O Seu amor perdoa o que é imperdoável. Nós, bem como nossos antepassados e toda humanidade, éramos realmente seres que não mereciam o perdão. Apesar disso, Deus nos perdoou através do Seu imensurável amor de forma unilateral. E não foi porque tínhamos alguma virtude. Muito pelo contrário: apesar de sermos pecadores - seres imperdoáveis - Deus nos perdoou unilateralmente. . . . quero receber o amor de Deus junto aos senhores e todos os antepassados. E, doravante, quero servir ao profundo e ilimitado amor de Deus com todos os senhores.

Culto às Almas dos Antepassados
3 e 4 de agosto de 2019

Unir em um só

Meishu-Sama

Unir o ateísmo e o teísmo - Este é o fundamento da verdadeira cultura.

Revista Chijo Tengoku, vol. 43, 25 de dezembro de 1952


Kyoshu-Sama
Dentro de nós, naturalmente existe o sentimento de querer aceitar o nome Messias e o de não querer aceitá-lo. Por muito tempo, ao longo de gerações, nós e nossos antepassados vivemos uma vida centralizada no ser humano, no pensamento humano. O caminho de Deus e Seu pensamento são o oposto do que o ser humano pensa; Deus nos perdoa sem discriminação e deseja fazer com que todos, sem exceções, se tornem Seus próprios filhos - Messias. Na verdade, o caminho de Deus é inconveniente para nós; eis por que possuímos o sentimento de negar o nome Messias, no qual Deus imbuiu Sua vontade. No entanto, Deus perdoou tanto o sentimento de não aceitar o nome Messias como o de querer viver uma vida centralizada no ser humano. Além disso, Deus perdoou o que há de mais essencial em nós, que é a arrogância de tomarmos posse dos sentimentos, seja o de aceitar, como o de não aceitar o nome Messias, e a presunção de achar que é o ser humano quem sente. Então, eu lhes digo: temos que ser gratos a Deus, pois Ele uniu dois fatores conflitantes que existem em nós, ou seja, os sentimentos de aceitar e de não aceitar o nome Messias. Deus perdoou unilateralmente ambos os sentimentos como um só. Portanto, nosso dever é, em nome do Messias, que é uno a Meishu-Sama, regressar ao Paraíso com tudo o que existe como seres que foram perdoados e salvos.

Culto do Outono
8 de outubro de 2017


Masaaki-Sama
Entretanto, da nossa parte, assim como a postura de um filho ideal mencionado acima, sinto que precisamos pensar da seguinte forma: “Mesmo eu já tendo virado as costas para Deus, Ele preparou para mim algo tão maravilhoso. Não preciso mais morrer! Deus me deu a vida eterna, que é a verdadeira salvação. Não mereço tanto... Quero receber o nome Messias!”. Acredito que, se pensarmos assim, Deus, que é o nosso verdadeiro Pai, ficará muito feliz. Existe o “eu ideal”, que é aquele que deseja pensar dessa maneira. Entretanto, no mundo real existem momentos em que queremos muito aceitar isso, mas há momentos também que não o desejamos. Ou então, às vezes, nem queremos voltar nossos corações a Deus. E, se estamos envolvidos por preocupações ou sofrimentos, às vezes até deixamos de acreditar na existência de Deus. Por isso, há uma grande distância entre “ideal” e “realidade”. Há o “eu ideal”, que quer se arrepender e aceitar o nome Messias, mas há também o “eu real”, que não consegue pensar dessa forma. Existe uma certa distância entre eles. Mesmo que haja vontade de se aproximar do “eu ideal”, sempre vem aquele pensamento: “mesmo depois de anos tentando, vai ser difícil conseguir”. Esse tipo de pensamento, vai e volta... Mas se somos assim, será que somos existências que não terão chance de serem salvas enquanto estivermos neste mundo? Esse será o nosso fim? Eu não acho isso. O que Meishu-Sama nos ensina sobre isso? Mesmo que estejamos sofrendo com vários tipos de pensamento, com as preocupações e conflitos internos, Meishu-Sama está nos dizendo: “Na verdade, vocês todos são seres paradisíacos”. Somos habitantes do Paraíso! Se for isso mesmo, então todos os tipos de pensamentos que aparecem dentro de nós, como: quero aceitar o nome Messias, ou não quero aceitá-lo, estou com ciúme, estou com raiva, não consigo voltar meu coração a Deus... tudo isso vem à tona para sermos salvos! Como somos habitantes do Paraíso, como fomos agraciados com o nome Messias, vários tipos de pensamentos acabam se juntando dentro do nosso coração, como “não quero receber o nome Messias”, “não tenho salvação”, etc. Mas será que Deus não está querendo receber tudo isso através de nós, para podermos salvar toda a humanidade?

Culto do Natalício de Meishu-Sama
23 de dezembro de 2018

Deus existe

Meishu-Sama

O ser humano precisa simplesmente reconhecer a existência de Deus e saber que Ele vê através de tudo. Todo o restante é trivial, ou seja, desnecessário. Todos complicam os ensinamentos religiosos dizendo coisas como “é preciso fazer isso” e “é preciso agir dessa maneira”. Em suma, o ponto mais crucial é: Deus existe. Mas quase ninguém ensina isso. Honestamente, acho que só a Igreja Mundial do Messias diz isso atualmente. Eu nunca ouvi pessoas de outras religiões defendendo isso.

Sermão de 27 de fevereiro de 1954


Kyoshu-Sama
Deixem-me lhes dizer o seguinte: Deus Criador, o Senhor Deus, está vivo! Ele está vivo dentro de cada um de vocês. Isto não é algo que vocês conseguirão compreender pela lógica humana. Vocês conseguem dizer: “Deus vive dentro de mim”, com convicção e sinceridade? Vocês conseguem dizer isso como sendo algo que vem de seus corações? Eis a questão.
Nós, seres humanos, esforçamo-nos em nossa vida cotidiana, absorvidos por um mundo de inúmeras emoções e não somos capazes de controlá-las. É realmente difícil as pessoas sentirem: “Deus está vivo dentro de mim”. Nós, por alguma razão, acreditamos em Deus através do que chamamos “fé”. Tentamos confiar em Deus dizendo-Lhe nossos desejos.
Esse tipo de fé que professamos até hoje é diferente daquela que eu estou tentando lhes transmitir agora. Melhor dizendo, estou perguntando o seguinte: será que conseguimos realmente dizer “Deus está vivo dentro de mim”, com convicção?
Meishu-Sama veio ao mundo com o nome Mokiti Okada e viveu sua vida enfrentando tudo o que aparecia à sua frente. Apesar de tudo isso, ele sentiu que Deus vivia dentro dele e, por fim, ele pode crer nisso com uma convicção inabalável. E, agora, Meishu-Sama não necessita mais do nome Mokiti Okada - ele não carrega mais este nome. Ele se tornou um filho de Deus - um filho do Pai celestial que é o Pai da sua vida. Ele se tornou aquele que herda a obra do Pai celestial. Este estado de Meishu-Sama, acredito eu, é o que nós chamamos de Messias, o Salvador. Ou seja, Meishu-Sama é agora um filho de Deus que expressa a vontade do próprio Senhor Deus.

Culto do Outono
19 de outubro de 2003
Masaaki-Sama
Nós queremos ser felizes e alegres, não queremos? E, a verdadeira alegria é algo que dura para sempre, não é? A felicidade e alegria que vocês encontram neste mundo são temporais - elas não duram. Vocês podem se sentir felizes com a cura de uma doença, mas outra doença pode surgir e tirar-lhes a vida.
É por isso que eu estou dizendo para vocês que existe um mundo chamado Paraíso. Trata-se de um mundo onde vocês podem encontrar a alegria verdadeira e eterna. O Paraíso existe! Existe um mundo repleto de conforto, alegria, amor e paz perfeitos!
O Paraíso também pode ser chamado de a casa de Deus. O Patriarca dessa casa é Deus. Ele quer conviver com Seus filhos em Sua própria casa, mas eles “fugiram” de casa. Ele, como um pai, quer que Seus filhos voltem para casa um dia. E vocês querem saber? Deus está agora esperando por nós em Sua casa, na nossa casa. A única questão que nos resta é se queremos ou não regressar ao nosso verdadeiro lar.
[...] Quando vocês ouvem algo acerca de Deus, vocês podem sentir que isso é como se fosse irreal porque não consegue vê-Lo com seus próprios olhos, mas, na verdade, Deus e Meishu-Sama existem. Meishu-Sama não foi embora nem desapareceu porque ele faleceu. Então, apesar de não conseguirem vê-lo, acreditem no Paraíso onde vivem tanto o nosso verdadeiro Pai quanto Meishu-Sama. Abram as portas do Paraíso - sua verdadeira casa - e entrem nele! Digam a Deus e a Meishu-Sama que vocês estão arrependidos de terem fugido deles! Eu lhes digo o seguinte: se vocês fizerem isso, Deus e Meishu-Sama abraçarão vocês - eles darão um abraço em vocês, porque o amor deles é infalível e verdadeiro. Quando isso acontecer, a alegria que vocês sentirão é algo que nunca foi experimentada por vocês antes - não há palavras que descrevam isso.

Encontro com jovens
Igreja de Frankfurt, 1º de setembro de 2018

O poder da grande harmonia de Deus

Meishu-Sama

Ao longo de muito tempo, o ser humano tem falado sobre a importância da harmonia. Aparentemente, a palavra “harmonia” soa bem, e ser harmonioso parece ser uma questão lógica, mas nós não podemos simplesmente terminar por aqui. Embora essa percepção da palavra harmonia não seja totalmente errada, é superficial. Deixem-me aprofundar acerca do que a harmonia realmente é. Para começar, todo Universo e tudo nele já estão em perfeita harmonia, e não há absolutamente nada em desarmonia. O que parece estar em desarmonia aos olhos humanos é apenas assim na aparência. A desarmonia é algo criado pelos humanos - é consequência de um ato antinatural. Do ponto de vista da Natureza, a desarmonia produzida como resultado de um ato antinatural é a verdadeira harmonia e uma verdade imutável e justa. Enquanto obedecermos às leis do Universo, tudo estará em harmonia e as coisas correrão bem para nós.
A desarmonia é criada por meio de atitudes desarmônicas e a harmonia é criada através de atitudes harmônicas: essa é a grande harmonia da natureza. É por compreender profundamente essa verdade, que os humanos conseguem alcançar a felicidade. Como prova do que estou dizendo aqui, basta apenas olhar para o mundo. Existem muitos casos em que você nota essa desarmonia se transformar em harmonia pouco tempo depois, ou se sinta tranquilo em achar que a situação está indo de forma harmoniosa quando, repentinamente, a harmonia é perturbada e se transforma em desarmonia. Nós precisamos pensar seriamente nesses acontecimentos. Simplificando, a perspectiva da “desarmonia” é shojo, limitada e de mente estreita, e a da “harmonia” é daijo, ampla e abrangente.

“Teoria da harmonia”, Jornal Glória, N.º 176, 1º de outubro de 1952


Kyoshu-Sama
Agora, quero dizer um pouco a respeito de meus pensamentos acerca dos terremotos.
Nós vivenciamos um terremoto, seja com o nosso corpo ou ao vê-lo nos telejornais, não é isso? Talvez sintam que isso acontece fora de vocês.
Mas deixem-me dizer isto: um terremoto não é meramente algo que ocorre fora de vocês. Todos precisam entender que isso também ocorre dentro de vocês.
Por quê? Porque toda a criação e nós somos um só.
Toda a criação e nós fomos um só no mundo de origem e, mesmo agora, somos um só.
Nós, a humanidade, vivemos nossa vida desprezando Deus, aquele que gerou toda a criação, e desprezamos até mesmo toda essa criação.
Dessa maneira, a humanidade criou um estado desarmonioso e desordenado no mundo.
Pode parecer que um terremoto ocasiona o movimento da crosta terrestre e que, portanto, faz com que Terra fique desequilibrada. Mas, na verdade, esse não é o caso. Com Seu poder de grande harmonia e ao utilizar toda a criação, Deus faz com que um terremoto aconteça para que o desequilibro do nosso coração, bem como o de toda a criação, possa ser corrigido e para que um estado desarmonioso se restaure, voltando à ordem. Isto acontece para que a Terra possa ser salva, para que toda a humanidade possa ser salva.
Meu desejo é que pelo menos uma pessoa tenha esses pensamentos em sua mente.

Culto da Primavera
13 de março de 2011
Masaaki-Sama
[...] se nós pensarmos sobre o que nos falta, vamos perceber que sempre nos faltam muitas coisas. Mas Deus é perfeito e Ele vive dentro de nós. Eu acho que esse ponto é muito importante. Reconhecer isso é muito importante.
Quando aparecer aquele sentimento, igual ao da sua pergunta: “ah, me falta isso ou aquilo”, procure pensar: “Ah, não! Deus é perfeito. Não me falta nada”. Se você pensar dessa forma, Deus vai preparar o que é necessário para você. Isso eu acho que é muito importante.

Trecho da resposta à pergunta feita ao Masaaki-Sama em Portugal
31 de outubro de 2019

Em primeiro lugar, elevar-se ao Paraíso

Meishu-Sama

A salvação pelas religiões até hoje consiste no seguinte: seus fundadores desceram ao inferno e, enquanto sofriam, empurravam pessoas para cima, salvando-as. Meu método é o oposto. Primeiro subo ao Paraíso e, depois, puxo os miseráveis aos céus para trazer-lhes até à salvação. Meus seguidores fazem o mesmo. Afinal, a nossa religião é uma religião celestial e é a primeira vez que esse tipo de religião inovadora surge na história da humanidade. Por isso, fomos incompreendidos por muitos no passado, mas, hoje, parece que a sociedade entendeu a nossa verdadeira natureza, o que me dá satisfação
“Meus escritos e outros temas,” Jornal Glória, N.º 238, 9 de dezembro de 1953


Kyoshu-Sama
Todos nós trilhamos o caminho da vida preparado por Deus, fomos encaminhados do Paraíso para a Terra, e aqui nascemos.
Agora, em nome do Messias, somos capazes de trilharmos esse mesmo caminho para retornarmos ao Paraíso.
Nós não nascemos para nos tornarmos filhos de seres humanos, mas sim, para nos tornarmos filhos de Deus.
Assim sendo, temos o dever de, em nome do Messias, retornar junto com todas as coisas, ao Paraíso que é a origem de todas as existências, como pessoas perdoadas e salvas, e servir na divina obra de Criação que é fazer com que todos os seres humanos se tornem filhos de Deus.
Acredito que, servir na obra de Deus é servir verdadeiramente na construção do Paraíso Terrestre e na salvação da humanidade que Meishu-Sama nos mostrou.
Culto às Almas dos Antepassados
8 de julho de 2018


Masaaki-Sama
Empenhamo-nos até hoje, acreditando que não há em outro lugar o mundo absolutamente isento de doença, pobreza e conflito senão aqui na Terra. Mas para mim, é muito diferente esse mundo existir, ou não existir, dentro de nós. Parece ser algo insignificante, mas há uma enorme diferença nisso. Meishu-Sama tinha convicção de que esse mundo não existia somente dentro dele; ele estava certo de que esse mundo existe dentro de cada um de nós.
É por isso que nas Sagradas Palavras “Características peculiares da salvação pela nossa religião”, Meishu-Sama pôde afirmar para todos os membros que, quem deseja servir na obra de salvação deve primeiro elevar-se ao Paraíso. Com isso, ele nos ensinou que o Paraíso existe dentro de nós e que a salvação é unirmo-nos a esse Paraíso. Meishu-Sama disse: “Isto é um ponto que difere de todas as outras religiões; melhor dizendo, chega a ser o contrário”.
Logo, o que vem a ser o método aplicado por todas as religiões? Será que isso não consiste em querer edificar o Paraíso aqui na Terra somente pelas mãos do ser humano? Será que o método comumente aplicado pelas religiões não é querer construir um mundo isento de doença, pobreza e conflito pelas mãos do ser humano? Porém, Meishu-Sama disse que a nossa característica peculiar de salvação é, primeiro, elevarmo-nos ao Paraíso. Ou seja, elevar-se até o mundo isento de doença, pobreza e conflito. E, se essa força se refletir aqui na Terra, naturalmente esse mundo será concretizado. É isso, não acham?
Então, o Paraíso existe dentro de nós ou não? Essa diferença parece ser insignificante, mas é enorme! Além das Sagradas Palavras “Características peculiares da salvação pela nossa religião”, temos um salmo de Meishu-Sama que diz: “Antes de qualquer coisa, / Estou tentando ser eu um habitante do Paraíso. / Porque é neste Paraíso que eu desejo salvar as pessoas do mundo.” Se almejamos salvar outras pessoas ao Paraíso, primeiro, nós temos que habitar esse Paraíso. E esse Paraíso é o local sem doença, pobreza e conflito, não é? Se conseguirmos ter contato com a alegria desse mundo, essa alegria do mundo espiritual refletir-se-á em nosso corpo material, conforme a lei de precedência do espírito sobre a matéria, e é somente assim que o mundo absolutamente isento de doença, pobreza e conflito poderá ser estabelecido.
Encontro com Diretores Executivos, Responsáveis por Regiões e principais ministros
7 de outubro de 2018

Meishu-Sama e Jesus Cristo são um só

Meishu-Sama
Pergunta: Meishu-Sama, eu gostaria de perguntar sobre a minha filha, que frequenta uma escola cristã...
Meishu-Sama: Sim, e qual é o problema?

Pergunta: Bem, ela ora a Jesus Cristo na escola e a Kannon em casa, e isso me deixa um pouco...
Meishu-Sama: Um pouco o quê? Você deve saber que Cristo e Kannon são a mesma coisa. Cristo é Kannon no Ocidente e Kannon é Cristo no Oriente. é como sua filha usar roupas ocidentais e roupas japonesas.

Sermão de 13 de março de 1949


Kyoshu-Sama
Por nós e em nome de toda a humanidade, Meishu-Sama se arrependeu e recebeu o perdão pelos pecados. A Deus, Meishu-Sama entregou sua vida física limitada e, também, a noção, criada pelo homem, de que “todos os seres humanos morrem”. Assim, Meishu-Sama foi capaz de ressuscitar para uma vida nova e eterna do Messias. [...]
Para redimir os pecados da humanidade, Jesus Cristo foi crucificado. Apesar disso, ele ressuscitou dos mortos e se tornou o Cristo, o Messias.
Meishu-Sama, através de seu renascimento como o Messias, nos fez perceber que a vontade de Deus ao enviar Meishu-Sama à Terra e a vontade de Deus ao enviar Jesus à Terra eram uma só coisa.
Meishu-Sama nos despertou para o fato de que o nome Messias não foi preparado somente para os judeus e cristãos.
Todos os seres humanos, sem exceção, podem nascer de novo como filhos de Deus chamados Messias e receber a vida eterna de Deus.
Culto da Primavera e Conferência Internacional de Membros - EUA
21 de abril de 2019
Masaaki-Sama
Como está escrito no nosso novo folheto (Quem Somos Nós - Nascemos na Terra para nos tornarmos filhos de Deus), dois mil anos atrás, Jesus Cristo sacrificou sua vida e redimiu nossos pecados, redimiu os pecados de toda a humanidade. Ele depois ressuscitou e cumpriu a vontade de Deus tornando-se Seu filho, o Cristo, o Messias. Em 1954, Meishu-Sama também nasceu de novo como o Messias.
Meishu-Sama e Jesus Cristo - os dois juntos - são um só. Nossa religião e a religião cristã - as duas juntas - são uma só. Isso porque a vontade de Deus é uma só. A vontade de Deus é que todos os seres humanos nasçam de novo como Seus filhos, Messias. Esse é o único desejo de Deus.
Apesar desse desejo de Deus ser claro, ele não foi realizado no cristianismo. Por isso, Deus precisou enviar Meishu-Sama à Terra. Nesse sentido, nossa missão, nossa tarefa, é imensa. Ela é muito séria. Temos a missão de concluir aquilo que não foi concluído no cristianismo. Isso depende de nós, da nossa Igreja. é a nossa religião que traz a verdadeira salvação ao Mundo inteiro.
Culto Mensal de Gratidão e Jovem Paraíso II
Frankfurt, Alemanha, 2 de setembro de 2018